O Dia das Bruxas - Halloween


Comemorar o Halloween não era um hábito brasileiro até pouco tempo atrás. Contudo, nos últimos 20 anos, principalmente, virou febre. Nos cursos de idiomas, especialmente os de língua inglesa, já é um evento praticamente obrigatório. Em escolas mais abertas a culturas estrangeiras, pelo menos na aula de inglês as crianças e adolescentes costumam realizar atividades cujo tema é o Dia das Bruxas.

Mas como tudo isso começou? Por que temos um dia no ano para celebrar e até mesmo nos vestirmos como figuras fantasmagóricas? Confira a seguir essas e outras questões sobre o Halloween.

Como e onde surgiu?
Pode parecer estranho, mas o Halloween teria surgido para espantar fantasmas. É que no século 5 a.C., os povos celtas acreditavam que o espírito das pessoas que haviam morrido durante o ano voltavam na noite de 31 de outubro, que marcava a passagem para o Ano-Novo, a fim de "possuir" os vivos e ficar pela Terra durante o ano que se iniciava.

Para escapar da maldição, nessa noite, que também celebrava o festival de Samhaim (para agradecer as boas colheitas), os celtas apagavam o fogo em suas casas com o objetivo de deixá-las frias e indesejáveis. Não bastasse o clima hostil, ainda se vestiam com roupas esfarrapadas e desfilavam pelas ruas escuras dos vilarejos, fazendo um barulho infernal. Assim, eles acreditavam que assustariam os espíritos e garantiriam mais um ano como donos do próprio corpo.

Os romanos chegaram a adotar as práticas, mas abandonaram já no século 1 d.C..

As bruxas
Na noite em que se temiam os mortos, foram as bruxas que fizeram a fama. Pelo menos no Brasil, o Halloween se popularizou como o dia delas. É que no dia 31 de outubro, assim como no 30 de abril, elas costumavam se reunir para uma festa comandada por ninguém menos do que o Diabo.

Reza a lenda que as bruxas chegavam voando em suas vassouras e disparavam feitiços contra quem quer que fosse, causando muita confusão. Quando começou a colonização nos Estados Unidos, a crença foi difundida por lá, misturando-se com o passar do tempo às histórias de feitiçaria contadas por índios e africanos.

Aliás, dizem que se você quiser encontrar uma bruxa, basta vestir roupas viradas do avesso e andar de costas na noite de Halloween. À meia-noite você verá uma. É o que dizem, é o que dizem...

Como foi para os EUA?
Quando os irlandeses começaram a imigrar para os Estados Unidos, no século 19, levaram também alguns costumes. Entre eles, a tradição do Halloween que, com o passar do tempo, tornou-se uma grande festa infantil.

Hoje, o Dia das Bruxas é feriado nos EUA, e o comércio costuma registrar um enorme volume de vendas, principalmente de guloseimas, fantasias e acessórios.

Gostosuras ou travessuras?

A principal brincadeira do Dia das Bruxas é, depois de devidamente fantasiado, passar de casa em casa batendo nas portas e gritando: "doces ou travessuras?". Se a pessoa que atender der gostosuras, se livra de ter que pagar uma prenda.

A brincadeira, chamada "souling" (que vem da palavra “soul”, alma em inglês), começou na Europa no século 9. No dia 2 de novembro, Dia de Todas as Almas para os cristãos, o fiéis iam de vila em vila pedindo "soul cakes" (bolos de alma), que eram feitos de pequenos quadrados de pão com groselha. Para cada bolo que ganhasse, a pessoa deveria fazer uma oração por um parente morto do doador para que a alma dessa pessoa não ficasse no limbo e fosse logo para o céu.

Jack da Lanterna

A tradicional abóbora com uma vela dentro tem origem no folclore da Irlanda. Contam que Jack, um alcoólatra incorrigível, recebeu certa noite a visita do Diabo, que anunciou ter ido buscar sua alma, mas aceita lhe conceder um pedido final. Jack pede um último trago, mas, já sem dinheiro, consegue convencer o Diabo a usar seus poderes para se transformar em uma moeda para pagar a bebida.

Assim que vê a moeda, Jack a coloca na carteira, que tem um fecho em forma de cruz. Preso, o Diabo implora para sair e Jack impõe uma condição: quer continuar vivo por mais um ano. O acordo é fechado e, um ano depois, quando o Diabo reaparece, Jack já tem um novo golpe. Ele convida o algoz a comer uma maçã antes de partirem e, quando o Diabo sobe em uma macieira, Jack desenha uma cruz no tronco da árvore e só borra o desenho quando o demônio aceita não procurá-lo mais.

Mas a sorte se vira contra o irlandês e ele morre naturalmente apenas um ano depois. Por suas maldades em vida, não o deixam entrar no céu. Por seus truques, o Diabo o barra na porta do inferno, mas se compadece da alma perdida e lhe entrega uma brasa para iluminar o caminho. Jack a coloca dentro de um nabo, para que queime por mais tempo, e começa a vagar pelo mundo sem destino. Quando os imigrantes irlandeses chegaram aos Estados Unidos, onde as abóboras são mais comuns que os nabos, a alma penada de Jack passou a vagar com a abóbora, buscando abrigo na noite de Halloween.

A festa pelo mundo
Na Irlanda, onde o Halloween teve origem, os moradores seguem as tradições dos tempos dos Celtas e acendem fogueiras em áreas rurais, enquanto as crianças se fantasiam e batem de porta em porta aos pedidos de “doces ou travessuras”, um jogo disseminado também nos Estados Unidos.

No Brasil, a festa começou a se popularizar recentemente. A porta de entrada no País foram as escolas de idiomas, que importaram as lendas, as brincadeiras e as fantasias. A festa foi bem aceita e já é fácil encontrar roupas e decoração típicas para o mês de outubro.

A proximidade com o início de novembro, quando diversos países homenageiam os mortos, faz com que em muitos lugares o Halloween se misture a outras tradições. Na Espanha e em muitos países latinos, o Dia de Todos os Santos é celebrado no dia 1º de novembro e o Dia de Finados no dia seguinte. Em países como México e Peru, a data é festiva e celebrada com trajes e rituais locais.









12 DE OUTUBRO – DIA DAS CRIANÇAS

Quando ouvimos falar em Dia das Crianças, a imagem que nos vem a cabeça é sempre uma: presentes. Isso, é claro, não poderia deixar de ser, pois quem não gosta de presentes? No entanto, a celebração do dia das crianças não tem o intuito de apenas presentear as nossas crianças. Na verdade, o Dia da Criança é bastante significativo para o que realmente a criança representa.
Oficialmente, uma das primeiras convenções sobre uma data comemorativa internacional em homenagem à criança aconteceu em 1925, durante aConferência Mundial pelo bem-estar da criança, realizada em Genebra, Suíça. Nessa ocasião, o dia 1º de junho ficou marcado como o Dia Internacional da criança. No ano anterior, 1924, a então chamada “Liga das Nações” fundou a “Declaração dos Direitos da Criança” para fundamentar os cuidados especiais que deveriam ser tomados em relação a todas as crianças diante da fragilidade do ser humano em sua infância. Dessa medida surgiram atos legais que proibiram o trabalho infantil e a violência contra a criança.
Tempos depois, em 1954, durante a Assembleia Geral das Nações Unidas, o dia 20 de Novembro foi estabelecido como o Dia Universal da Criança. O objetivo era encorajar os demais países a estabelecerem uma data para promover ações que garantiriam direitos e o bem-estar da criança. Em 1959, a Assembleia Geral das Nações Unidas adotou a “Declaração dos Direitos da Criança”, com algumas modificações, e cada país passou a estabelecer uma data comemorativa para celebrar os direitos da criança.
No Brasil, entretanto, a data já havia sido estipulada ainda na década de 1920. O deputado federal do Rio de Janeiro, Galdino do Valle Filho, conseguiu a aprovação da lei, em 1924, que instituía o dia 12 de Outubro como o Dia da criança.
Todavia, essa data passaria despercebida até a década de 1950, quando houve uma campanha de marketing da empresa de brinquedos Estrela. A fabricante de brinquedos usou a data para promover sua linha de bonecas de nome “Bebê Robusto”. Anos depois, a data foi mais uma vez reforçada pela campanha publicitária da empresa de produtos de higiene infantil Johnson & Johnson. A empresa lançou a campanha “Bebê Johnson”, que teve sua primeira edição em 1965 e acabou se tornando o concurso de beleza infantil mais conhecido no país.

Por Lucas Oliveira
Graduado em Sociologia



Ayrton Senna do Brasil, Resumo de um Campeão (Fotos e Videos)

Ayrton Senna do Brasil, Resumo de um Campeão 

21 Anos sem Ayrton Senna


A carreira automobilistica de Senna
A imagem vitoriosa deste brasileiro, considerado um dos maiores esportistas da história, é reconhecida nos quatro cantos do mundo, seja por seu talento excepcional e por sua determinação impressionante, ou por desempenho quase mágico. É um mito do automobilismo mundial e considerado um dos melhores de todos os tempos. 
Tal grandiosidade prematuramente reconhecida, quando Ayrton, aos 4 anos de idade pegou no volante pela primeira vez, marcou o início de uma história maravilhosa de sucesso, que eventualmente incluiria 41 vitórias na Fórmula 1, 65 pole positions e 3 campeonatos mundiais.
Ao vestir o macacão, transpirava um equilíbrio sereno e se integrava ao carro para sentir cada reação na pista, fazendo manobras inacreditáveis, dignas de um perfeccionista.  

A precocidade sempre marcou Ayrton Senna.
A irresistível vocação pela velocidade levou o pai a construir o seu primeiro kart, o 007 que ele transformou de brinquedo predileto no primeiro instrumento do lado mais sério da sua vida. Foi o protótipo que precedeu os karts das inúmeras vitórias (em 1973 venceu na estréia em Interlagos) e os seis títulos de campeão entre paulista brasileiro e sul-americano.
A paixão que Ayrton Senna levou do kart foi o grande segredo de ter sido campeão por onde passou.

Estreou na Fórmula Ford 1600 em Brands Hatch, dia 01/03/1981, com um quinto lugar. No domingo seguinte foi terceiro em Thruxton e quinze dias depois venceu em Brands Hatch. A coroa de louros desta primeira vitória virou relíquia. Um troféu raro, guardado até hoje, por Ralf Firman, primeiro patrão de Senna, na sede da Van Dimenn, em Snetterton, Inglaterra.
Depois de campeão na F Ford 1 600, Senna seguiu, em 1982, o caminho natural para a F 2 000. Entrou como um ciclone. Venceu e fez a pole position e voltas mais rápidas nas seis primeiras corridas. Estava quase como queria, mas tinha algo incomodando a sua aura de perfeccionista. Precisava preparar-se para perder.
Era isso. Uma explicável providência para quem não conhecia derrota desde julho do ano anterior. 
Na sétima corrida, em Mallory Park, ganhou mas, pela primeira vez na F 2 000, não largou na pole position. Na corrida seguinte, em Oulton Park, o motor quebrou e, finalmente, (!) ele perdeu uma corrida. Não aconteceu nada de extraordinário. Ayrton Senna, como tudo em que fez na vida, estava preparado também para aquele momento de derrota. Terminou o ano com os dois títulos da F 2000, inglês e europeu, com os recordes de 21 vitórias, 15 poles position e 21 voltas mais rápidas

Na Fórmula 3, o último degrau no rumo da F1, Senna repetiu o estilo fulminante da F Ford e F 2 000. Como quem quer arrasar o inimigo, venceu, fez pole position e voltas mais rápidas nas nove primeiras corridas do calendário, garantindo mais um título inglês. Tornou-se assim o único tríplice coroado das fórmulas britânicas. Era normal, portanto, que chovesse convites para testar carros da Fórmula 1. Toleman, Lotus, McLaren e Williams, fizeram as primeiras ofertas. Curiosamente, na exata seqüência que Senna cumpriu o seu destino na Fórmula 1

"Os dias em que se podia julgar um piloto por sua velocidade e seus reflexos acabaram. Ayrton Senna tinha uma combinação de conhecimento, concentração e força. Quanto a sua capacidade de concentração nas corridas, ele estava dois a três níveis acima do resto de nós - era extraordinário."
(Extraído do livro "Na Reta de Chegada", autor Gerhard Berger, Editora Globo, página 93 )



Longe das pistas, Ayrton Senna era uma pessoa normal. Se é que um ídolo possa ter vida normal. Depois de cumprir os compromissos com a equipe, imprensa, patrocinadores e fãs, procurava sair rapidamente dos autódromos. Destino: Brasil. Cidade: São Paulo. 
Em São Paulo, transformava-se no competente empresário que cuidava dos negócios com a mesma dedicação e preocupação que tinha na F1, como pode ser visto ao olharmos para o sucesso das marcas que criou: o personagem Senninha e a Marca Senna. 
Ayrton tinha orgulho de ser brasileiro. E queria fazer mais pelo país. Lançou a semente para a criação do Instituto Ayrton Senna que atende milhares de crianças e jovens em todo Brasil.
Mas Beco também se preocupava com seu lazer. Fez muitas viagens com familiares, amigos e namoradas para vários pontos do planeta. As férias eram sagradas. Dava-se ao luxo de se afastar das pistas e curtir o mar de Angra dos Reis, refúgio que adorava. Além disso, adorava praticar esportes. Era um esportista nato que mostrava muita habilidade para as corridas a pé, tênis, bicicleta, jet sky e muitos outros. Só não conseguia jogar futebol, apesar de ter tentado algumas vezes.
Aqui você poderá conhecer Ayrton Senna fora das pistas. Seus amigos, sua família, seus hobbies, as viagens que fez, as casas que morou, muitas histórias contadas por seus amigos e familiares.

  • Nome: Ayrton Senna da Silva
  • Apelido: Beco 
  • Data de Nascimento: 21/Março/1960
  • Altura: 1,76 
  • Peso: 70kg 
  • Número de sapatos: 40 
  • Pais: Neyde e Milton. 
  • Irmãos: Viviane e Leonardo.
  • Cuidados Especiais: Pessoais - com a pele tinha alergia atópica.
  • Comida que mais gostava: arroz, feijão, bife e batata frita; macarrão ao sugo. Mas era indispensável uma boa salada de alface. 
  • Não gostava: carne de porco, quiabo e jiló. 
  • Estilo de música: Phill Collins, Milton Nascimento, Tina Tunner, Enya, Queen. 
  • Estilo que não gostava: Rock Metal. 
  • Esportes: Jet sky, aeromodelismo, tênis e corrida. Quando criança andava também de carrinho de rolemã (bicicleta, etc.). 
  • Hobby: pescar. 
  • Viagens: Rio Araguaia, quando menino, para ele a mais emocionante. 
  • Manias: óculos de sol, cintos e calçados.
Beco, como era chamado na intimidade, era muito alegre e brincalhão. Por isso, as inúmeras histórias que vamos relatar aqui serão de muito bom humor, revelando o alto astral que Ayrton Senna tinha na intimidade da sua casa. Mesmo com a vida sempre corrida, com muitos compromissos que sempre procurava cumprir, encontrava um tempo para ficar com a família. Nos pequenos intervalos dos treinos particulares e a extensa programação dos Grandes Prêmios, voltava para o Brasil para passar alguns dias com os pais, irmãos, sobrinhos e amigos. Sempre foi um elo de ligação entre todos, onde o assunto Fórmula 1 era o que menos interessava. Ali ele era apenas o Beco. O menino que sonhou um dia guiar um carro de Fórmula 1, mas que adorava o sossego de casa às badalações do mundo das corridas. 
Aqui você poderá entrar um pouco mais na intimidade de Ayrton Senna.

A discrição foi uma das marcas de Ayrton Senna. Sabia administrar muito bem os compromissos profissionais que a profissão - e o encanto - de piloto vitorioso exigiam, com os deveres de bom filho, irmão, tio e amigo que fazia com muito prazer. Mudando de país e hotel a cada semana durante a temporada de Fórmula 1, Ayrton Senna gostava mesmo era de estar em casa. Algo especial que ele curtia muito e que tinha o seu estilo de vida. Reunia a família e amigos para recarregar as baterias, relaxar, tomar sol e praticar esportes.
Navegue pelo estilo todo pessoal de Ayrton Senna.

Ser campeão de Fórmula 1. Sem dúvida esse era o grande ideal de Ayrton Senna quando começou a correr de kart. Sua carreira foi sempre direcionada para isso. E conseguiu. Mas não era apenas o automobilismo a principal preocupação de Senna. O homem simples, sincero e amigo virava o empresário perfeccionista, objetivo e exigente quando tratava dos seus assuntos profissionais. E foi apoiado nessas qualidades naturais de empresário que Senna participou, diretamente, no desenvolvimento e concretização de dois sonhos que viu realizar: a Marca Senna, que é um referencial em produtos de alta tecnologia, e o Senninha, um personagem infantil, inspirado nos valores do próprio Ayrton Senna..
Mas, acima de qualquer outra coisa, tinha grande amor pelas crianças. Rodeado por elas, sempre abria um sorriso puro de satisfação. Fazer algo que desse oportunidade para as crianças era seu principal objetivo depois que conquistou as pistas do mundo inteiro. E aí está o Instituto Ayrton Senna, cumprindo os ideais traçados por seu mentor.

A preocupação com o social era uma marca de Ayrton Senna. Muito antes da semente do Instituto Ayrton Senna ser lançada, Senna trabalhou para realizar alguns sonhos de brasileiros menos favorecidos. 'Os ricos não podem continuar vivendo como se fossem uma ilha no meio de um mar de pobreza", disse certa vez. Acreditava em Deus, e deixava bem claro que "dentro do carro de Fórmula 1 está Ayrton Senna. Dentro do piloto a fé em Deus."
Conheça alguns dos pensamentos de Ayrton Senna sobre temas que sempre estiveram muito ligados a ele. 

"Deus me dá força. A vida é um presente que Deus nos deu e que somos obrigados a tratar com cuidado."
"Trabalhei muito para chegar ao sucesso, mas não conseguiria nada se Deus não ajudasse."



O carinho do povo tornou Ayrton Senna um herói, hoje lembrado através de homenagens, declarações, tributos, fan clubes e de muitas outras maneiras. É nesta área que você poderá conhecer um pouco mais sobre as iniciativas dos fãs de Senna e contribuir para aumentar cada vez mais este acervo. Se você sempre foi um fã de Senna, não deixe de ser membro do Fan Clube Virtual Ayrton Senna. Lá você terá acesso a promoções exclusivas para os fans virtuais. Confira as novidades!!!

Muitas foram as homenagens para Ayrton Senna. E todas estão bem guardadas, das mais simples às sofisticadas, das pequenas, mas sinceras, demonstrações de carinho e admiração vindas de todas as partes do mundo. Em todos os idiomas do planeta. Algumas passagens ficaram registradas na história da Fórmula 1 e do próprio Brasil. Ayrton até hoje é querido por todo o mundo. Onde seu nome é pronunciado as pessoas se comovem ao lembrar dos momentos de alegria que Senna, durante 10 anos, trouxe nos domingos de Fórmula 1. 

O carinho do povo tornou Ayrton Senna um mito, hoje quase uma lenda. Os fãs aceleravam com ele em cada curva, vibravam a cada conquista, jogavam champanhe no pódio da vida com ele. Havia uma cumplicidade recíproca na qual o campeão recebia o combustível psicológico do amor e o povo feliz delirava com as proezas do ídolo. Senna resgatou o sentimento que os brasileiros no dia-a-dia costumavam esquecer: o amor pela pátria. A oportunidade de levantar a bandeira brasileira era a maneira mágica dele se identificar com seu povo. 
Aqui você poderá conhecer os Fãs-Clubes de todo o mundo.

Certa vez Senna disse: "os melhores objetos que decoram a minha casa são os meus troféus". Orgulhava-se muito deles. De todos. Sempre muito cuidadoso com seus equipamentos de corrida, ou com os objetos que ganhava dos fãs e amigos. O acervo pessoal de Ayrton Senna é muito grande. Aqui, você poderá chegar mais perto de Ayrton Senna, conhecer os objetos que mais gostava ou que tinham uma forte ligação com ele.

Ayrton Senna foi personagem central de muitas histórias, fatos curiosos e sua vida é cheia de curiosidades. Claro que a grande maioria gira no mundo das corridas, e sempre de maneira muito positiva. Seu bom humor contagiava a todos.
Aqui, você vai conhecer as situações engraçadas que Senna participou, com amigos, adversários das pistas e fãs durante sua vida. Além disso, ficará por dentro das curiosidades que cercam o maior piloto de todos os tempos.

Video em Homenagem a Ayrton Senna

Chico Anysio e o Mundo Moderno - Monologo (12 Abril 1931 - 23 Marco 2012)

3 anos sem o nosso maravilhoso humorista Chico Anysio

Slide Show com fotos  de Chico Anysio e seus fantasticos  personagens e audio com o monologo  Mundo Moderno.
Chico Anysio e o Mundo Moderno - Monologo 
(12 Abril 1931 - 23 Marco 2012)
 R.I.P.

12 coisas que você não sabia que o seu fone de ouvido da Apple pode fazer

Aquele controle remoto não está embutido no fone de ouvido a toa; acredite, ele serve para mais coisa do que aumentar o volume

Se você achava que os fones de ouvido serviam somente para ouvir música e para enroscar dentro da mochila, está completamente enganado.

Assim como os smartphones, os fones de ouvidos da Apple – aqueles branquinhos – contam com alguns segredos para otimizar e facilitar o uso do dispositivo.

Todos esses “segredos” giram em torno do controle de volume que fica do lado direito do acessório.  O que muitos não sabem, é que ele é mais do que um controle de volume, nele se encontra o microfone para chamadas e controle de voz, e ainda é possível controlar algumas funções do smartphone.

Confira as combinações de cliques que o usuário pode fazer na hora de usar o apetrecho:

Música
1- Um clique: pausa músicas

2- Dois cliques rápidos: pula para a próxima música

3- Três cliques rápidos: volta para o início da música ou volta para a música anterior

4- Dois cliques rápidos e manter pressionado: avança o trecho da música

5- Três cliques rápidos e manter pressionado: retrocede a música

Ligações
6- Um clique: atende ou desligar chamadas

7- Manter pressionado por dois segundos: ignora ligações

8- Um clique (ligação em espera): caso esteja em uma ligação, e receber outra, clique uma vez no centro do controle para colocar a primeira em espera. Caso queira voltar, basta clicar mais uma vez.

9- Mantenha pressionado (ligação em espera): caso esteja em uma ligação, e receber outra, basta mantes o controle pressionado por dois segundos para ignorar a nova ligação.

Siri
10- Manter pressionado: aciona o comando de voz

Fotos
11- Um clique: aciona a câmera fotográfica

Volume
12- Um clique: o usuário consegue controlar o volume do áudio clicando em (+) para aumentar ou (-) para reduzir o volume




Volkswagen Kombi Preta Tunada, 1962 com 23 Janelas. A melhor que ja vi.

Eles aplicaram toque moderno mantendo a sua aparência clássica. Eles colocaram um piso de madeira impressionante, instalado bancos confortáveis, cpm olhar malvado o sistema de som e de cair o queixo ou sistema de home theater. Marcante transformação moderna impressionante aplicada a esta Kombi Clássica. 
Veja vídeo abaixo!